Putin e a sua visão atual do Planeta

 

Confira o que Putin acha do mundo atual, em entrevista ao “Financial Times”  

Putin diz que Trump é talentoso e sabe fazer o que o povo espera

Deu no Financial Times

Na véspera da reunião do G20, Vladimir Putin conversou em Moscou com o editor do Financial Times, Lionel Barber, e com o chefe da sucursal, Henry Foy. Nenhum outro líder mundial esteve em tantas reuniões internacionais do G20 e do G7 nos últimos 20 anos, tempo durante o qual o senhor está no comando da Rússia. Nesta entrevista, ele mostra o que pensa sobre o atual momento internacional e a disputa comercial entre China e Estados Unidos.

Lionel Barber: O senhor acredita que o mundo agora está mais fragmentado?
Claro, porque durante a Guerra Fria, o pior foi a Guerra Fria. É verdade. Mas havia pelo menos algumas regras que todos os participantes da comunicação internacional mais ou menos aderiram ou tentaram seguir. Agora, parece que não há regras. Nesse sentido, o mundo se tornou mais fragmentado e menos previsível, o que é o mais importante e lamentável.

Lionel Barber: Vamos voltar a este tema do mundo sem regras, fragmentação, mais transacional. Mas primeiro, Sr. Presidente, diga-nos o que o senhor quer alcançar em Osaka, em termos de suas relações com essas outras partes? Quais são seus principais objetivos para a cúpula?
Eu gostaria que todos os membros do G20 reafirmassem sua intenção – pelo menos uma intenção – de elaborar algumas regras gerais que todos seguiriam e de demonstrar seu compromisso e dedicação para fortalecer as instituições financeiras e comerciais internacionais. Todo o resto são detalhes que complementam os principais tópicos de uma forma ou de outra.

Lionel Barber: O senhor terá uma reunião com Mohammad bin Salman em Osaka. Podemos esperar uma extensão do atual acordo sobre a produção de petróleo? Limitações?
Como você sabe, a Rússia não é membro da OPEP, apesar de estar entre os maiores produtores do mundo. Nossa produção diária é estimada em 11,3 milhões de barris, acredito. Os Estados Unidos apareceram à nossa frente. Mas acreditamos que nossos acordos de estabilização de produção com a Arábia Saudita e a OPEP em geral tiveram um efeito positivo na estabilização e previsão do mercado. Acredito que tanto os produtores de energia, neste caso, os países produtores de petróleo, quanto os consumidores estão interessados nisso, porque, definitivamente, estabilidade é artigo que atualmente está definitivamente em falta. E nossos acordos com a Arábia Saudita e outros membros da OPEP, sem dúvida, fortalecem a estabilidade.

Lionel Barber: Eles estão um pouco frustrados. Gostariam de produzir mais. Isso está correto?
Eles têm uma política inteligente. Não se trata de aumentar a produção, embora seja um componente importante no trabalho de grandes empresas petrolíferas. É sobre a situação do mercado. Eles têm uma visão abrangente da situação, bem como de suas receitas e despesas. Claro, eles também estão pensando em impulsionar a indústria, investimentos oportunos, maneiras de atrair e usar tecnologia moderna, bem como tornar esta indústria vital mais atraente para os investidores.

Lionel Barber: O senhor observou quatro presidentes americanos de perto e talvez de cinco, o senhor teve experiência direta. Em que o presidente Trump é diferente?
Somos todos diferentes. O primeiro presidente dos EUA com quem entrei em contato foi Bill Clinton. De modo geral, a experiência me parece positiva. Estabelecemos laços suficientemente estáveis e semelhantes a negócios por um curto período de tempo, porque seu mandato já estava chegando ao fim. Eu era apenas um jovem presidente que acabara de começar a trabalhar. Lembro sempre que o presidente Clinton estabeleceu relações de parceria comigo. Continuo muito grato a ele por isso.

Houve tempos diferentes e tivemos que lidar com vários problemas com todos os outros colegas. Infelizmente, isso muitas vezes envolveu debates, e nossas opiniões não coincidiram em alguns assuntos que, em minha opinião, podem ser chamados de aspectos-chave para a Rússia, os Estados Unidos e o mundo inteiro. Por exemplo, dentre aqueles assuntos, a retirada unilateral dos EUA do Tratado de Mísseis Antibalísticos que, como sempre acreditamos, e como ainda estou convencido, era a pedra fundamental de todo o sistema internacional de segurança.

De qualquer forma, fiz tentativas muito enérgicas para convencer nossos parceiros americanos a não se retirarem do Tratado. Sugeri trabalhar em conjunto em projetos de defesa antimísseis que deveriam envolver Estados Unidos, Rússia e Europa. Aqueles projetos estipulavam parâmetros específicos dessa cooperação, determinavam abordagens de mísseis perigosos e previam o intercâmbio de tecnologia, a elaboração de mecanismos de tomada de decisões, etc. Essas eram propostas absolutamente específicas.

Estou convencido de que o mundo seria um lugar diferente hoje, se nossos parceiros nos EUA tivessem aceitado essa proposta. Infelizmente, não aconteceu. Podemos ver que a situação está se desenvolvendo em outra direção; novas armas e tecnologia militar de ponta estão surgindo. Bem, esta não é a nossa escolha. Mas, hoje, devemos pelo menos fazer todo o possível para não agravar a situação.

Lionel Barber: O senhor é um estudante de história. E registram-se muitas horas de horas de conversa entre o senhor e Henry Kissinger. O senhor quase certamente leu o livro dele, World Order [Ordem Mundial]. Com o Sr. Trump, vimos algo novo, algo muito mais transacional. Ele é muito crítico de alianças e aliados na Europa. O senhor vê aí alguma vantagem para a Rússia?
Seria melhor perguntar qual seria a vantagem dos Estados Unidos, neste caso. O Sr. Trump não é político de carreira. Ele tem uma visão mundial distinta, e tem sua específica visão dos interesses nacionais dos EUA. Eu não aceito muitos de seus métodos quando se trata de resolver problemas. Mas você sabe o que penso? Acho que o Sr.Trump é pessoa talentosa. Ele sabe muito bem o que seus eleitores esperam dele. Alguém já pensou em quem realmente se beneficiou e que benefícios foram obtidos com a globalização, cujo desenvolvimento temos observado e do qual participamos nos últimos 25 anos, desde os anos 90?

A China fez uso da globalização, em particular, para tirar milhões de chineses da pobreza. Nos Estados Unidos, as principais empresas americanas fizeram uso desses benefícios. Mas a classe média nos Estados Unidos não se beneficiou da globalização; ficou de fora quando esse bolo foi dividido. A equipe Trump percebeu isso com muita clareza e clareza, e eles usaram isso na campanha eleitoral.

Lionel Barber: Eu definitivamente quero voltar para a economia russa. Mas o que o senhor disse é absolutamente fascinante. Aqui está o senhor, o Presidente da Rússia, defendendo a globalização junto com o Presidente Xi, enquanto o Sr. Trump está atacando a globalização e falando sobre America First. Como o senhor explica esse paradoxo?
Eu não acho que o desejo do presidente dos EUA de pôr os EUA em primeiro lugar seja algum paradoxo. Eu quero que a Rússia seja a primeira, e isso não é percebido como um paradoxo. Não há nada incomum aí. Quanto ao fato de ele estar atacando algumas manifestações da globalização, já comentei. O presidente Trump parece acreditar que os resultados da globalização poderiam ter sido muito melhores para os Estados Unidos, do que são. Esses resultados da globalização não estão produzindo o efeito desejado para os Estados Unidos. Assim, o presidente dos EUA está iniciando essa campanha contra certos elementos da globalização. É movimento que preocupa todos, principalmente os principais participantes do sistema de colaboração econômica internacional, incluindo aliados.

Lionel Barber: O senhor teve muitas reuniões com o Presidente Xi, e Rússia e China definitivamente se aproximaram. O senhor não estaria pondo muitos ovos na cesta da China? Porque a política externa russa, inclusive sob sua liderança, sempre teve a virtude de conversar com todos.
Primeiro de tudo, temos muitos ovos, mas há poucas cestas onde esses ovos podem ser colocados. Este é o primeiro ponto. Em segundo lugar, avaliamos sempre os riscos. Em terceiro lugar, as nossas relações com a China não são motivadas por considerações políticas e oportunismo. Permitam-me salientar que o Tratado de Amizade com a China foi assinado em 2001, se não estou enganado, muito antes da situação atual e muito antes das atuais divergências econômicas, para dizer o mínimo, entre os Estados Unidos e a China. Nos últimos 25 anos (acho que são 25), a participação dos países do G7 no PIB global caiu de 58% para 40%. Isso também tem efeito, de alguma forma, nas instituições internacionais. Essa é a posição comum da Rússia e da China. É posição de justiça, e nada há aí de especial.

Lionel Barber: Estou aliviado que este suprimento de ovos seja forte. Mas o ponto sério, Senhor Presidente, é que o senhor está familiarizado com o livro de Graham Allison, The Thucydides’s Trap [A Armadilha de Tucídides]. Há alto risco de tensões ou risco de conflito militar entre uma potência dominante e uma potência em ascensão, EUA e China. O senhor acha que há risco de conflito militar, ainda no seu tempo, entre Rússia, EUA e China?
Você sabe, toda a história da humanidade sempre esteve cheia de conflitos militares, mas desde o surgimento das armas nucleares o risco de conflitos globais diminuiu, devido às potenciais consequências trágicas globais para toda a população do planeta no caso de conflito entre dois estados nucleares. Espero que não chegue a isso.No entanto, é claro, temos que admitir que não se trata apenas dos subsídios industriais da China, por um lado, ou da política tarifária dos Estados Unidos, por outro. Em primeiro lugar, estamos falando de diferentes plataformas de desenvolvimento, por assim dizer, na China e nos Estados Unidos. Eles são diferentes e o senhor, sendo um historiador, provavelmente concordará comigo. Eles têm filosofias diferentes nas políticas externa e interna.

Mas gostaria de compartilhar algumas observações pessoais com o senhor. Estou apenas observando o que está acontecendo no momento – sobre relações aliadas com um país ou um confronto com o outro. A China está mostrando lealdade e flexibilidade aos seus parceiros e opositores. Talvez haja aí alguma relação com características históricas da filosofia chinesa, sua abordagem para construir relações.

Por conseguinte, não creio que a China nos faça qualquer ameaça. Realmente, não consigo imaginar tal coisa. Mas é difícil dizer se os Estados Unidos teriam paciência suficiente para não tomar decisões precipitadas, mas respeitar seus parceiros, mesmo que houvesse divergências. Mas, espero, gostaria de repetir: espero que não haja nenhum confronto militar.

Lionel Barber: Controle de armas. Sabemos que o acordo INF está em grave risco. Existe algum lugar, do ponto de vista da Rússia, para futuros acordos de controle de armas, ou estamos em uma nova fase, quando é provável que vejamos uma nova corrida armamentista nuclear? Acredito que haja tal risco. Como já disse, os Estados Unidos retiraram-se unilateralmente do Tratado ABM, e recentemente também deixaram o Tratado de Forças Nucleares de Alcance Intermediário. Mas desta vez, não apenas desistiram, mas encontraram um motivo para desistir, e esse motivo foi a Rússia. Não creio que a Rússia signifique algo para eles nesse caso, porque é improvável que este teatro de guerra, o teatro de guerra na Europa seja interessante para os EUA, apesar da expansão da OTAN e do contingente da OTAN perto das nossas fronteiras. O fato permanece: os EUA retiraram-se do Tratado. Agora, a agenda está focada no Tratado de Redução de Armas Estratégicas (New START).

Estamos prontos para manter conversações e estender esse tratado entre os Estados Unidos e a Rússia, mas não vimos nenhuma iniciativa relevante de nossos parceiros americanos. Eles ficam em silêncio, e o tratado expirará em 2021. Se não começarmos as conversações agora, tudo isso acabará, porque não haveria tempo nem para as formalidades.

Nossa conversa anterior com Donald mostrou que os americanos parecem interessados nisso, mas não estão dando qualquer passo prático. Portanto, se este tratado deixar de existir, não haverá instrumento no mundo para reduzir a corrida armamentista. E isso é ruim.

 

In:

http://www.tribunadainternet.com.br/

30 de junho 2019