Os Resíduos Sólidos na Região Sudeste do Brasil em 2016

A Associação Brasileira de Empresas de Limpeza Pública e Resíduos Especiais – Abrelpe divulgou o Panorama dos Resíduos Sólidos no Brasil em 2016, obtidos com a soma das projeções de cada região do país em que está descrita a produção e destino final dos resíduos sólidos urbanos – RSU, resíduos de saúde – RSS, resíduos de construções e demolições – RCD e alguns dos previstos nos acordos de logística reversa.

Este conteúdo está descrito nos meus artigos anteriores no EcoDebate sobre o panorama nacional e Região Sul do Brasil. Neste artigo, estão informações específicas sobre os aspectos da geração de resíduos e sua destinação final em 2016 na Região Sudeste do Brasil com quatro estados: São Paulo, Minas Gerais, Espírito Santo e Rio de Janeiro com 1.668 municípios.

Em relação aos resíduos sólidos urbanos – RSU, a Região Sudeste produziu 104.790 toneladas/dia com 52,7% do total do país e queda de 2,4% em comparação com o panorama anterior de 2015. A produção per capita/habitante /dia foi de 1,21 Kg com queda de 3,1%. Os recursos financeiros aplicados pelos municípios da Região Sudeste foram de R$ 4,92 por habitante/mês na coleta dos RSU e 7,77 nos demais serviços de limpeza urbana, com total de R$ 12,69 por habitante/mês. Os serviços de limpeza urbana movimentaram 14,9 bilhões com queda de 0,3% em relação aos dados anteriores.

Tabela – Geração diária total e individual de RSU na Região Sudeste do Brasil em 2016.

Fonte: Abrelpe.

Quanto à coleta dos RSU, 98% foram recolhidos, mas houve queda de 1,9% no total e de 2,6% per capita e 27,3% correspondentes a 27.978 toneladas/dia foram destinados para lixões e aterros controlados sem tratamentos adequados.

Tabela 2 – Quantidade de RSU coletados na Região Sudeste do Brasil em 2016.

Fonte: Abrelpe.

Em relação à coleta seletiva, 1.454 dos 1.668 municípios da Região Sudeste declaram que possuem iniciativas, mas não há informações sobre os números desta atividade. Possivelmente em muitos destes municípios sejam iniciativas de pequeno porte, sem influência significativa no conjunto da gestão dos RSU. A disposição final sem tratamentos em aterros controlados e lixões aumentou 0,3% em relação ao panorama anterior.

Tabela 3 – Disposição final dos RSU na Região Sudeste do Brasil em 2016.

Fonte: Abrelpe.

Resíduos de construções e demolições – RCD – coletaram-se 63.981 toneladas/dia com geração per capita de 0,741 Kg/habitante/dia. Houve uma pequena variação negativa no total coletado e na geração individual dos RCD na Região Sudeste.

Tabela 4 – Coleta de RCD na Região Sudeste do Brasil em 2016.

Fonte: Abrelpe.

Resíduos sólidos de saúde – RSS – Foram produzidos 178.033 toneladas de RSS na Região Sudeste em 2016, com geração per capita de 2,062 Kg/habitante. Os tratamentos utilizados foram autoclave em 17,6%, incineração em 34,7%, micro-ondas em 7,2%, com 40,5% tendo outros destinos não declarados, significando que este percentual de RSS, correspondentes a 72.103 toneladas possivelmente foram para lixões, aterros, valas sanitárias irregulares e o meio ambiente.

Tabela 5 – Geração de RSS na Região Sudeste do Brasil em 2016.

Fonte – Abrelpe.

O panorama da Abrelpe não apresenta informações específicas sobre a reciclagem e a logística reversa na Região Sudeste.

No próximo artigo, os resíduos sólidos na Região Centro-Oeste do Brasil em 2016.

Antonio Silvio Hendges – Articulista no EcoDebate, professor de biologia e educação ambiental, pós graduação em auditorias ambientais, assessoria e consultoria em educação ambiental. Email: as.hendges@gmail.com – Blog: www.cenatecbrasil.blogspot.com.br

 

In:

EcoDebate, ISSN 2446-9394, 14/11/2017

 

“Os Resíduos Sólidos na Região Sudeste do Brasil em 2016, artigo de Antonio Silvio Hendges,” in EcoDebate, ISSN 2446-9394, 14/11/2017, https://www.ecodebate.com.br/2017/11/14/os-residuos-solidos-na-regiao-sudeste-do-brasil-em-2016-artigo-de-antonio-silvio-hendges/.