FLORESTA AMAZÔNICA E AS MUDANÇAS CLIMÁTICAS

 

Árvores da floresta amazônica não conseguem acompanhar as mudanças climáticas

Uma equipe de mais de 100 cientistas avaliou o impacto do aquecimento global em milhares de espécies de árvores em toda a Amazônia para descobrir os vencedores e perdedores de 30 anos de mudanças climáticas.

Sua análise descobriu que os efeitos das mudanças climáticas estão alterando a composição das espécies arbóreas da floresta tropical, mas não o suficiente para acompanhar o ambiente em mudança.

A equipe, liderada pela Universidade de Leeds em colaboração com mais de 30 instituições em todo o mundo, usou registros de longo prazo de mais de cem parcelas como parte da Rede de Inventário da Floresta Amazônica (RAINFOR) para rastrear as vidas de árvores individuais em todo o mundo.

Região amazônica – Seus resultados mostraram que, desde a década de 1980, os efeitos das mudanças ambientais globais – secas mais fortes, aumento da temperatura e níveis mais altos de dióxido de carbono na atmosfera – afetaram lentamente o crescimento e a mortalidade de espécies específicas.

Em particular, o estudo descobriu que as espécies de árvores que mais amam a umidade estão morrendo mais frequentemente do que outras espécies e aquelas adequadas para climas mais secos não foram capazes de substituí-las.

A autora do estudo, Adriane Esquivel Muelbert, da Escola de Geografia de Leeds, disse: “A resposta do ecossistema está atrasada em relação à taxa de mudança climática. Os dados nos mostraram que as secas que atingiram a bacia amazônica nas últimas décadas tiveram sérias consequências a composição da floresta, com maior mortalidade em espécies arbóreas mais vulneráveis a secas e crescimento compensatório insuficiente em espécies melhor equipadas para sobreviver a condições mais secas “.

A equipe também descobriu que árvores maiores – predominantemente espécies de dossel nos níveis superiores das florestas – estão competindo com plantas menores. As observações da equipe confirmam a crença de que as espécies de dossel seriam “vencedores” da mudança climática, pois se beneficiam do aumento do dióxido de carbono, o que pode permitir que cresçam mais rapidamente. Isso sugere ainda que concentrações mais altas de dióxido de carbono também têm um impacto direto na composição da floresta tropical e na dinâmica da floresta – a forma como as florestas crescem, morrem e mudam.

Além disso, o estudo mostra que as árvores pioneiras – árvores que brotam rapidamente e crescem em clareiras deixadas para trás quando as árvores morrem – estão se beneficiando da aceleração da dinâmica da floresta.

O coautor do estudo, Oliver Phillips, professor de Ecologia Tropical em Leeds e fundador da rede RAINFOR, disse: “O aumento em algumas árvores pioneiras, de crescimento extremamente rápido, é consistente com as mudanças observadas na dinâmica da floresta, que também pode em última análise, ser impulsionado pelo aumento dos níveis de dióxido de carbono “.

O co-autor Dr. Kyle Dexter, da Universidade de Edimburgo, disse: “O impacto das alterações climáticas nas comunidades florestais tem importantes consequências para a biodiversidade das florestas tropicais. As espécies mais vulneráveis às secas estão duplamente em risco, pois são tipicamente as mais restritas. para menos locais no coração da Amazônia, o que os torna mais propensos a serem extintos se esse processo continuar.

“Nossas descobertas destacam a necessidade de medidas rigorosas para proteger as florestas intactas existentes. O desmatamento para agricultura e pecuária é conhecido por intensificar as secas nesta região, o que está exacerbando os efeitos já causados pela mudança climática global”.

Medindo grandes árvores na Amazônia Central, Brasil, 2016. Crédito: Adriane Esquivel Muelbert, Universidade de Leeds

 

Referência:

Esquivel Muelbert A, Baker TR, Dexter KG, et al. Compositional response of Amazon forests to climate change. Glob Change Biol. 2018;00:1–18. https://doi.org/10.1111/gcb.14413

In:

EcoDebate, ISSN 2446-9394,

09/11/2018