Dormir Bem: Descubra Alguns Mitos Sobre o Sono

 

 

Dormir bem: cuidados com os mitos sobre o somo

A cronobiologia nos mostra que é possível dar um reset em nosso relógio biológico.
[Imagem: MiguelRPerez/Pixabay]

Mitos sobre o sono

Se você está procurando dicas para dormir melhor, tome cuidado.

O problema é que existem muitos conceitos errados sobre o sono não apenas na população em geral, mas também entre alguns profissionais de saúde.

A grande dificuldade em lidar com a questão é que não há uma receita única que valha para todos – e mesmo se você conseguir uma receita personalizada, verá que ela irá variar com a sua idade.

“É importante compreender os processos naturais que afetam a todos nós em algum momento de nossas vidas para que possamos distinguir entre fatos comprovados e mitos,” alerta o Dr. Malcolm von Schantz, professor de cronobiologia da Universidade de Surrey (Reino Unido).

O Dr. Malcolm fez então uma lista dos mitos mais disseminados sobre o sono.

Você é uma pessoa diurna ou noturna?
[Imagem: Fiocruz]

Mito 1: Adolescentes dormem muito porque são preguiçosos

Quando os adolescentes apresentam problemas para acordar cedo, isso não é uma indicação de preguiça – isso reflete as mudanças biológicas que estão ocorrendo com eles.

Uma mudança no horário do sono durante a adolescência é verificada em todo o mundo e até mesmo em outras espécies, como no macaco sagüi.

Pode haver boas razões evolucionárias para essa mudança, como encorajar os jovens a se afiliarem mais a seus pares e a se afastarem do ninho familiar; ou para permitir que as sociedades prosperem (quando os membros trabalham em horários ligeiramente diferentes, alguém está sempre alerta para perigos potenciais).

O ideal é que a sociedade apoie essa mudança natural no horário do sono, como o início da escola mais tarde para os adolescentes.

Mais do que atrapalhar o sono, a luz azul de celulares e tablets mata células da retina.
[Imagem: Dan Miller/The University of Toledo]

Mito 2: Padrões biológicos não podem ser alterados

Embora a mudança no horário do sono durante a adolescência seja impulsionada pela biologia, isso não significa que nada possa ser feito.

Muitos fatores, como o horário em que comemos e nos exercitamos, podem ajudar a ajustar nosso relógio biológico para acertar nosso tempo com o mundo ao nosso redor.

A luz é um fator crítico para regular o sono: A exposição saudável à luz pela manhã e evitar a luz à noite podem ajudar a sincronizar os ritmos do sono. Aqueles de nós que já têm ritmos atrasados devem evitar luzes fortes no fim da noite.

Você deve ter visto a nova tendência de óculos coloridos para bloquear a luz azul. Levando em consideração os dados de estudos mais recentes, é melhor usá-los lá pelo final do dia, quando você quer relaxar para uma boa noite de sono, e evitá-los pela manhã, quando você quer se levantar e ficar cheio de energia.

Mito 3: Tente dormir 8 horas toda noite

Uma porção de estudos científicos sugere que não devemos perder o sono se quisermos ficar o mais dispostos possível.

É importante nos darmos tempo suficiente para dormir, mas todos diferimos na quantidade de sono necessária. A ideia de que todos nós precisamos de exatamente 8 horas de sono por noite é um mito.

A Fundação Nacional do Sono (Reino Unido) recomenda que os adolescentes normalmente tenham de 8 a 10 horas de sono por noite, mas isso também é variável – uma minoria precisará de apenas 7 horas, e outros de 11 horas.

A ideia de que devemos “fazer de tudo” para dormir também não é verdadeira. O melhor sono deve ser um processo automático, natural e sem esforço – “fazer de tudo” para dormir torna particularmente difícil adormecer.

O que nós devemos nos esforçar ao máximo é para encontrar tempo para dormir quando sentirmos que precisamos.

 

Dormir o tempo certo diminui risco de infarto – mesmo se você tem predisposição genética.
[Imagem: CDC]

Mito 4: Dormir no fim de semana é uma má ideia

Os especialistas em sono aconselham consistência quando se trata de nossos horários de sono. Devemos adormecer e acordar na mesma hora todos os dias.

Obviamente, isso vai muito bem se não tivermos compromissos para atrapalhar.

Na realidade, muitas vezes os jovens são obrigados a acordar muito antes de estarem biologicamente prontos para fazê-lo, e podem ter dificuldade em adormecer cedo, o que significa que a maioria ficará sem sono. Portanto, dormir um pouco mais no fim de semana pode ajudar muitos jovens a recuperar o atraso.

Mas cuidado, variações demais também podem resultar em uma mudança no tempo de sono, conhecida como “jetlag social”. Isso tem sido associado à falta de concentração e sensação de desânimo. O descanso do fim de semana não é necessariamente uma coisa ruim, desde que seja feito com moderação.

 

In:

https://www.diariodasaude.com.br/

30/04/2021