CRIATIVIDADE HUMANA E A EVOLUÇÃO

 

A evolução explica o surgimento da criatividade nos humanos?

 

As ideias criativas geram sinais característicos no cérebro no exato momento em que ocorrem.
[Imagem: Yongtaek Oh et al. – 10.1016/j.neuroimage.2020.116757]

Evolução da criatividade  

criatividade é uma das habilidades mais marcantes da humanidade – ideias e soluções inovadoras permitiram à nossa espécie sobreviver a ameaças e prosperar.

Contudo, a criatividade não pode ser um elemento necessário para a sobrevivência, porque muitas espécies que não a possuem conseguiram florescer muito tempo antes do que os humanos.

Então, o que impulsionou o desenvolvimento da criatividade entre nós?

Em busca de respostas, o professor Yongtaek Oh, da Universidade Drexel (EUA), decidiu fazer um estudo por neuroimagens, procurando sinais da criatividade no cérebro.

Os dados mostraram que, em algumas pessoas, ter ideias criativas – conhecidas coloquialmente como “momentos aha” – desencadeiam uma explosão de atividade no sistema de recompensas do cérebro, o mesmo sistema que responde a alimentos deliciosos, substâncias viciantes, orgasmos e outros prazeres básicos.

Como a atividade do sistema de recompensa motiva os comportamentos que a produzem, indivíduos que experimentam recompensas neurais relacionadas ao insight provavelmente se envolverão em outras atividades relacionadas à criatividade, potencialmente com a exclusão de outras atividades.

“O fato de a evolução ter vinculado a geração de novas ideias e perspectivas ao sistema de recompensa do cérebro humano pode explicar a proliferação da criatividade e o avanço da ciência e da cultura”, disse o pesquisador John Kounios, acrescentando que essa é uma noção que muitos aficionados de enigmas e romances de mistério, artistas e pesquisadores podem achar familiar.

Prazer da criatividade

O estudo mostra que algumas pessoas experimentam ideias criativas como intrinsecamente recompensadoras.

Como essa explosão de atividade neural relacionada à recompensa ocorreu tão rapidamente após o insight inicial – apenas um décimo de segundo – ela não pode ter resultado de uma avaliação consciente da solução. Em vez disso, essa resposta rápida de recompensa foi acionada ou integrada à própria percepção geradora da ideia, dizem os pesquisadores.

Os voluntários do teste que apresentaram baixa sensibilidade à recompensa tiveram quase tantas ideias criativas quanto os de alta sensibilidade, mas suas ideias criativas não desencadearam uma resposta significativa à recompensa neural.

Assim, a recompensa neural não é um acompanhamento necessário para o insight, embora ocorra em muitas pessoas. Este experimento sugere que medidas da sensibilidade geral à recompensa podem ajudar a prever quem praticará, desenvolverá e expandirá suas habilidades criativas ao longo do tempo.

Checagem com artigo científico:

Artigo: An insight-related neural reward signal
Autores: Yongtaek Oh, Christine Chesebrough, Brian Erickson, Fengqing Zhang, John Kounios
Publicação: NeuroImage
Vol.: 214, 116757
DOI: 10.1016/j.neuroimage.2020.116757

 

In:

https://www.diariodasaude.com.br/

06/05/2020