APENAS MASSA DE MANOBRA

 

Procurar informações sobre o momento que este continente sofre não é tarefa das mais difíceis, pois temos, resumindo um largo espectro de dados parciais, apenas dois lados, a possível continuação de algo indefinido ou mal compreendido, a dita esquerda, que não é aquela dos manuais acadêmicos e o seu oposto, a dita direita, que não é aquela representada pelos discursos repetitivos da dita esquerda. Nestes discursos que não falam absolutamente nada, apenas sinalizam breves esboços pálidos da realidade cotidiana, aparecem também outras propostas que não podem ser consideradas pelo simples fato de terem como objetivos finais a verba pública, também conhecido como fundo partidário. Fato este evidente pelo elevado número de candidatos ao cargo principal deste país no nível político.

Há, por assim dizer, um vácuo muito triste neste momento atual que é a ausência de um líder que represente os anseios da população, ainda que por população signifique dizer milhões de pessoas à margem desta batalha virtual travada diariamente. Esta  “maioria silenciosa” que lhe é dado o direto de escolher o menos ruim apenas, já demonstrou sua aversão à esta classe política e aos próprios servidores  públicos quando olhados em perspectiva através das últimas eleições, o número de abstenções, votos nulos e ou em brancos e também pelo número de votos em transito.

Centenas ou  talvez milhões de fatores estabelecem este quadro de aversão a este momento, o cinismo político de todos os partidos; os mesmos indivíduos apresentados há décadas; a fragilidade intelectual destes indivíduos e por que não o distanciamento próprio da realidade cotidiana expressa nas suas propagandas, misto de  incompetência e oportunismo.

Mas é neste momento atual, marcado por legislações arcaicas que a “maioria silenciosa”  assiste diariamente a diminuição de sua liberdade até o dia fatal em sete  de outubro.

É necessário fazer este alerta para que quem estiver lendo esta coluna saiba que suas preocupações básicas, emprego, saúde, segurança e educação são lembretes que estão sendo abordados no máximo em dois minutos. Assim como as pesquisas de intenção de voto que lembra muito aquele velho adágio jornalista, “não existem notícias, existem notícias publicadas”.

É o velho pensamento querendo novamente se impor numa sociedade que não pode ser mais rotulada de esquerda ou direita. Os tempos, os valores e as mentalidades mudaram e a população não é mais aquela que perde tempo ouvindo repetições de indivíduos alçados sabe se lá por que motivos como porta vozes da multiplicidade de opiniões e ideias.

Este é o sinal evidente que estamos começando entender por que a qualidade da nossa existência é apenas sobreviver, mas existem, e como existem indivíduos que vivem bem e do melhor. Procure entender porque existe o vácuo muito triste hoje e verás que somos apenas massa de manobra.

Até a próxima

Recebido:

17.09.2018