APENAS INTERPRETAÇÕES, OS FATOS NÃO EXISTEM

 

“Os factos não existem, apenas interpretações…”: os media e a verdade

O pós-modernismo faz mal aos factos e os media estão a provar o veneno que, de forma consciente ou inconsciente, ajudaram a espalhar.

  1. Está em curso um assalto aos factos, um assalto à verdade. É essa a denúncia veemente que a imprensa de referência de bom jornalismo tem feito nos últimos anos, sobre as distorções e mentiras de Donald Trump e de outros políticos de perfil populista. Para a imprensa de referência, os factos e a verdade são vistos como intocáveis e não adulteráveis. “A verdade é um bem público” diz-nos o slogando jornal Público. “O comentário é livre, mas os factos são sagrados” (“Comment is free, but facts are sacred”), declara, por sua vez, o slogan do jornal britânico Guardian, da autoria de CP Scott, editor do Manchester Guardian em 1921 (ver “CP Scott’s centenary essay” in Guardian, 23/10/2017). Na mesma linha, um jornalista do Washington Post indigna-se com a complacência de alguns media: “Incrivelmente, apesar de Trump ter feito mais de 5.000 declarações falsas ou enganosas como Presidente, as maiores organizações de informação e os feeds dos media sociais continuam a injectar as suas mentiras não adulteradas na corrente sanguínea política, sem informarem claramente os leitores que são apenas isso — mentiras.” (Ver Greg Sargent “Memo to the media: Stop spreading Trump’s fake news” in The Washington Post, 11/10/2018). Mas o que são factos e o que é a verdade da qual o bom jornalismo se afirma como garante?
  2. Facto (do latim factum) significa “1. Coisa feita, acção realizada. 2. O que aconteceu em determinado tempo e lugar = acontecimento” (ver Dicionário da Língua Portuguesa Contemporânea da Academia das Ciências de Lisboa). O termo “facto” evoluiu de coisa feita, acção realizada, ou seja, fazer (facereem latim), para significar aquilo ao qual corresponde uma afirmação verdadeira (factum). Por outras palavras, uma afirmação é verdadeira se, e só, quando corresponde aos factos, vistos como uma realidade exterior ao indivíduo. Foi nesta lógica de aferição dos factos/verdade que começaram a aparecer, um pouco por toda a imprensa internacional, como no New York Timesfact checks, ou seja, secções e dedicadas à “prova de factos” (por exemplo, ver NYT “Fact check / Fact checks of the day”; ver também “Trump diz que a imprensa não fala dos ataques terroristas. É verdade?” in Público 7/0272017). Face a este esforço do bom jornalismo, de confrontar com a realidade (os factos), as afirmações sem base factual de políticos como Donald Trump, já podemos estar mais descansados de que “A democracia não morre nas trevas” (democracy dies in darkness), como sugere o slogan do Washington Post, usado a partir de inícios de 2017? (Ver The Washington Post’s new slogan turns out to be an old saying” in WP, 24/02/2017). A questão não é assim tão simples. Os ataques aos factos e à verdade têm uma longa e complexa história. E a imprensa não é apenas vítima ou garante da verdade. Um dos problemas mais profundos, o qual aqui vou analisar, radica na influência do pós-modernismo, com origem nas humanidades e ciências sociais, a área “científica” dos estudos de comunicação e dos media. Facilitou o ambiente intelectual e político de criação de “realidades paralelas”, no qual se move Donald Trump.
  3. Há cerca de doze anos, Ophelia Benson e Jeremy Stangroom publicaram um livro intitulado Why Truth Matters(Continuum, 2005). À primeira vista poderíamos pensar que é uma das muitas publicações que, nos dois ou três últimos anos, espelham uma crescente preocupação com os graves atropelos aos factos e à verdade. (Ver, entre outros, Michiko Kakutani, “A Morte da Verdade. A falsidade na era Trump”, trad. port, Ed. Presença, 2018). Mas não é esse o caso. No jornal britânico The Independent, Johann Hari fez uma recensão do livro de Ophelia Benson e de Jeremy Stangroom particularmente presciente. Vale a pena reproduzir aqui um excerto. Nele vemos como os efeitos perversos do pós-modernismo radical, aí denunciados, se tornaram demasiado evidentes no mundo em que hoje vivemos. “A academia pós-moderna apresenta isso [o ataque à ciência e à história] como uma batalha a favor dos povos oprimidos, mas, na verdade é uma profunda traição a estes. Tais grupos não precisam que a ciência e a história sejam distorcidas ou suspensas em seu nome. A verdade, a evidência [ou seja, os factos], a razão e a lógica, não são um feudo, um condomínio fechado ou um clube exclusivo. Pelo contrário. São propriedade de todos e a única maneira de refutar mentiras […].” (Ver Johann Hari, “Why Truth Matters by Ophelia Benson and Jeremy Stangroom. The truth? You can handle the truth” in The Independent, 14/05/2016).

PUB

  1. “Depois de a razão e as evidências terem sido removidas pelos pós-modernistas, o que resta? A tradição, a religião, o instinto, o sangue e o solo, a nação e a pátria — os tropos da direita opressiva” (idem). A conclusão de Johann Hari é, também, particularmente útil para perceber como chegámos ao mundo de hoje. Mostra como há uma grande confusão intelectual instalada, a qual permite um desprezo aberto pelos factos sem grande problema para os que o fazem, seja na vida intelectual ou política. “Benson e Stangroom respondem às frases obscuras e impenetráveis dos pós-modernistas, com frases tão claras que não é preciso nadar nelas. Deveria haver uma lei exigindo que cada compra de um ‘livro’ de Jacques Derrida fosse acompanhada de uma cópia gratuita desta esclarecedora e brilhante resposta” (ibidem). Poderíamos pensar que o livro discute meras questiúnculas entre académicos, que se entretêm a esgrimir argumentos favor e contra o pós-modernismo, e que esse é um problema filosófico que só a eles diz respeito, sem qualquer interesse para a sociedade e a política. Mas não é assim. O pós-modernismo não está confinado à academia. Fez o seu caminho para a sociedade e o jornalismo, ainda que, muitas vezes, sem muitos perceberem bem o alcance suas ideias, nem as consequências sociais e políticas das mesmas a longo prazo, nomeadamente os seus efeitos nos factos, na verdade e nos próprios media. (Ver Julia M. Klein, “How postmodernism destroyed journalism. A review of Scott Timberg’s new book, Culture Crash”in Columbia Journalism Review, Janeiro-Fevereiro de 2015).
  2. É possível fazer bom jornalismo à maneira clássica, com o objectivo de respeitar o já referido moto de CP Scott na sua plenitude — “O comentário é livre, mas os factos são sagrados” — estando, ao mesmo tempo, imbuído de um quadro intelectual pós-moderno, tal como foi descrito (e criticado) por Ophelia Benson e Jeremy Stangroom? É possível, por um lado, defender a verdade, como correspondência com os factos e uma realidade objectiva, e, por outro lado, estar imbuído de ideias de que todas as culturas têm o mesmo valor e de que não existe uma verdade objectiva? Impõe-se, assim, evidenciar uma contradição fundamental entre defender a verdade, como correspondência com os factos e uma realidade objectiva exterior ao indivíduo, a qual implica, tendencialmente, a irrelevância da cultura, do grupo e do género. (Isso ocorre, por exemplo, quando se denunciam as declarações de Donald Trump através de fact checks,no New York Timesou no Guardian.) E, paralelamente, usar critérios de “verdade” pós-modernos — para avaliar, por exemplo, islamistas ou feministas —, os quais sustentam que não existe uma verdade objectiva factual, mas “verdades”, no plural, condicionadas pela cultura, o género e o grupo a que o indivíduo pertence. Assim, na lógica pós-moderna, a verdade de Donald Trump, aferida pelos critérios do seu grupo (o Tea Party e a Alt-right), é igual à verdade da CNN ou do Washington Post, aferida pelos critérios de quem partilha a visão do mundo dos media (os liberais, no sentido social e político). Não há, por isso, motivo para nos preocuparmos com a “morte da verdade”. Já estava moribunda pelo ataque do pós-modernismo radical.
  3. A resposta à questão formulada no ponto anterior é, ou devia ser, muito clara: não é possível fazer bom jornalismo à maneira clássica e estar, ao mesmo tempo, imbuído de uma visão do mundo e de valores pós-modernos. O pós-modernismo faz mal aos factos e os mediaestão a provar o veneno que, de forma consciente ou inconsciente, ajudaram a espalhar. Regressemos ao já referido moto do jornal britânico Guardian, os “factos são sagrados”. Pode ter a virtude de apontar um (bom) caminho jornalístico, como na época de CP Scott, o editor do Manchester Guardian dos anos 1920. Todavia, ao mesmo tempo, cria a ilusão de uma objectividade, no sentido clássico, da qual o próprio Guardian se afastou. Se formos às raízes intelectuais do problema, especialmente ao pensamento de Friedrich Nietzsche, que, a partir dos anos 1960, o pós-modernismo redescobriu e direccionou para as suas causas, vemos a questão de forma cristalina. Vemos como se criou um clima intelectual de cepticismo face aos factos, sem se antecipar o alcance pleno desse cepticismo face ao mundo em devir. “Contra esse positivismo que pára diante dos fenómenos, dizendo ‘só existem factos’, eu direi: não, são precisamente os factos que não existem, apenas [há] interpretações…” (ver The Portable Nietzsche, editado e traduzido por Walter Kaufmann, Penguin Books, 1954, p. 458). Um mundo onde os “factos não existem” e “apenas há interpretações” é o mundo onde habita Donald Trump, ainda que numa versão grotesca do pós-modernismo nascido na academia.
  4. No Ocidente, pelo menos até aos anos 1960/1970, havia um largo consenso sobre a forma como se aferia a verdade, ou falsidade, de uma afirmação — confrontava-se essa afirmação com o “teste dos factos”. Aspecto crucial da questão: a verdade era vista como algo objectivo, não condicionado ou alterado pela cultura, pelo grupo, pelo género, ou pelos valores de cada um. O resto eram apenas opiniões, naturalmente livres em democracia. Essa era, também, a visão da esquerda intelectual e política. O pensamento marxista aceitava esses pressupostos, vendo-se, a si próprio, como científico e universalista. Mas nos anos 1960/1970 emergiu uma outra esquerda, cultural e pós-moderna, a qual difere substancialmente da tradicional esquerda marxista. Jacques Derrida, Michel Foucault ou Richard Rorty, são algumas das suas influências centrais. Pretendiam contestar o uso da ciência pelo poder e o establishment. Mas, para além dos seus eventuais méritos, a desconstrução, o relativismo e o cepticismo que promoveram corroem a ciência, os direitos humanos e a verdade factual. Assim, a objectividade e o esforço de distinção entre factos e interpretações (opiniões) foram postos em causa, ou abandonados, emergindo o culto da subjectividade e da emoção, contra a objectividade e a razão. O que não foi antecipado é que isso podia abrir caminho a outra contestação radical à direita, que hoje se está a instalar e da qual Donald Trump é apenas a expressão mais visível. A imprensa acordou agora, depois de um longo flirtcom tais ideias, ainda que sob o pretexto de apoiar “boas causas”, ou de um sensacionalismo (o apelo à emoção). Está agora alarmada com o atropelo aos factos, e tem motivos para isso. Mas se continuarmos a ver o mundo com lentes pós-modernas radicais, não há “provas dos factos” que salvem o jornalismo e a verdade.

JOSÉ PEDRO TEIXEIRA FERNANDES

In:

www.publico.pt

2018/11/16