Alimento Simbiótico, você precisa conhecer

 

 

O que é um alimento simbiótico?  

 

Além dos simbióticos, prebióticos e probióticos, não se esqueça dos psicobióticos.
[Imagem: Sarkar et al./Trends in Neurosciences 2016]

Alimentos simbióticos

A palavra “simbiótico” aparece em um número crescente de alimentos e suplementos, com ingredientes simbióticos que prometem modular a comunidade de micróbios que vivem no intestino humano, ao mesmo tempo que proporcionam um benefício à saúde.

Os simbióticos são geralmente entendidos como uma combinação de um probiótico e um prebiótico, mas os especialistas consideram essa descrição muito limitada para promover a inovação neste campo, e muito ambígua para permitir uma compreensão clara dos benefícios que os simbióticos trazem para a saúde.

Para lidar com a ambiguidade – da ciência e da indústria – em torno dos simbióticos, onze especialistas reconhecidos internacionalmente foram convidados para formar um painel com o objetivo de criar uma definição de consenso e esclarecer as evidências necessárias para mostrar que os simbióticos são seguros e eficazes.

Definição de simbiótico

A primeira providência do painel foi estabelecer uma nova definição de simbiótico, baseada nos mais recentes desenvolvimentos científicos no campo: “Uma mistura compreendendo microrganismos vivos e substrato(s) utilizados seletivamente por microrganismos de um hospedeiro, que confere um benefício para a saúde do hospedeiro”.

Os especialistas enfatizam que a definição foi pensada para ser inclusiva – muitas combinações diferentes de microrganismos vivos e substratos utilizados seletivamente podem ser qualificados como simbióticos, desde que um estudo em humanos demonstre os benefícios à saúde de qualquer combinação específica.

Além disso, os simbióticos não precisam ser limitados ao intestino; eles podem atingir qualquer parte do corpo humano que abrigue uma comunidade de microrganismos.

“Esperamos que a publicação desta definição marque uma mudança na compreensão das pessoas sobre os simbióticos,” disse a professora Kelly Swanson, da Universidade de Illinois em Urbana-Champaign (EUA). “Podemos começar a discutir os simbióticos de uma forma cientificamente mais precisa, dando a todos um vocabulário compartilhado para entender o que fazem, como funcionam e quais evidências são necessárias para atender à definição.”

Checagem com artigo científico:

Artigo: The International Scientific Association for Probiotics and Prebiotics (ISAPP) consensus statement on the definition and scope of synbiotics
Autores: Kelly S. Swanson, Glenn R. Gibson, Robert Hutkins, Raylene A. Reimer, Gregor Reid, Kristin Verbeke, Karen P. Scott, Hannah D. Holscher, Meghan B. Azad, Nathalie M. Delzenne, Mary Ellen Sanders
Publicação: Nature Reviews Gastroenterology & Hepatology
DOI: 10.1038/s41575-020-0344-2

 

In:

https://www.diariodasaude.com.br/

02/09/2020