A Variação da Temperatura Corporal Humana

 

Temperatura corporal humana está caindo rapidamente 

Vários estudos têm mostrado que a temperatura média do corpo humano está caindo ao longo do tempo.
[Imagem: CC0 Public Domain/Pixabay]

Queda na temperatura corporal média

Nos quase dois séculos desde que o médico alemão Carl Wunderlich estabeleceu 37,0°C como a temperatura corporal “normal” padrão, ela tem sido usada por pais e médicos como referência pela qual as febres – e frequentemente a gravidade das doenças – são avaliadas.

Com o tempo, entretanto, e sobretudo nos anos mais recentes, temperaturas corporais mais baixas foram amplamente relatadas em adultos saudáveis. Um estudo de 2017 entre 35.000 adultos no Reino Unido descobriu que a temperatura corporal média era mais baixa (36,6 ºC), e um estudo de 2019 mostrou que a temperatura corporal normal nos norte-americanos da Califórnia é de cerca de 36,4 ºC.

Uma equipe multinacional de médicos, antropólogos e cientistas, liderados por Michael Gurven e Thomas Kraft (Universidade da Califórnia de Santa Bárbara) identificou agora uma diminuição semelhante na temperatura corporal média em uma população totalmente diferente: Entre os Tsimane, uma população indígena de horticultores-coletores na Amazônia boliviana.

Nos 16 anos desde que Gurven e seus colegas estudam essa população, eles observaram um rápido declínio na temperatura corporal média, que vem caindo 0,05 °C por ano, de forma que hoje a temperatura corporal dos Tsimanes é de aproximadamente 36,5 °C.

“Em menos de duas décadas, estamos presenciando o mesmo nível de declínio observado nos EUA em aproximadamente dois séculos,” disse Gurven.

A análise é baseada em uma amostra de 18.000 observações de quase 5.500 adultos e ajustada para vários outros fatores que podem afetar a temperatura corporal, como temperatura ambiente e massa corporal.

Alteração na fisiologia humana

Os resultados questionam a hipótese mais levantada para tentar explicar essa queda na temperatura corporal média, incluindo a diminuição das infecções devido à melhoria da higiene, água potável, vacinas e tratamentos médicos.

“Em nosso estudo, pudemos testar essa ideia diretamente. Temos informações sobre diagnósticos clínicos e biomarcadores de infecção e inflamação no momento em que cada paciente foi atendido. Está claro que algo envolvendo a fisiologia humana pode ter mudado,” disse Gurven.

Embora algumas infecções sejam associadas a uma temperatura corporal mais alta, o ajuste para elas não foi responsável pelo declínio acentuado da temperatura corporal ao longo do tempo, observou Gurven. “E usamos o mesmo tipo de termômetro na maior parte do estudo, então não é devido a mudanças na instrumentação,” acrescentou ele.

 

Na população indígena, a queda na temperatura corporal média está sendo muito mais acentuada.
[Imagem: Michael Gurven et al. – 10.1126/sciadv.abc6599]

Temperatura corporal normal

Como um sinal vital, a temperatura corporal é um indicador do que está ocorrendo fisiologicamente no corpo, como um termostato metabólico.

“Uma coisa que sabemos há algum tempo é que não existe uma temperatura corporal ‘normal’ universal para todos o tempo todo, então eu duvido que nossas descobertas afetem como os médicos usam as leituras de temperatura corporal na prática,” disse Gurven.

Apesar de a referência “normal” ser 37 ºC, a maioria dos médicos reconhece que as temperaturas “normais” têm uma faixa. Ao longo do dia, a temperatura corporal pode variar mais de 0,5 ºC, desde a mais baixa no início da manhã até a mais alta no final da tarde.

A temperatura corporal também varia ao longo do ciclo menstrual e após a atividade física e tende a diminuir à medida que envelhecemos.

Checagem com artigo científico:

Artigo: Rapidly declining body temperature in a tropical human population
Autores: Michael Gurven, Thomas S. Kraft, Sarah Alami, Juan Copajira Adrian, Edhitt Cortez Linares, Daniel Cummings, Daniel Eid Rodriguez, Paul L. Hooper, Adrian V. Jaeggi, Raul Quispe Gutierrez, Ivan Maldonado Suarez, Edmond Seabright, Hillard Kaplan, Jonathan Stieglitz, Benjamin Trumble
Publicação: Science Advances
Vol.: 6, no. 44, eabc6599
DOI: 10.1126/sciadv.abc6599

 

In:

https://www.diariodasaude.com.br/

17/11/2020