A FORÇA DO PENSAMENTO, TETRAPLÉGICOS E TABLETS

 

Tetraplégicos navegam no tablet com o pensamento

Tecnologia desenvolvida abre caminho para que pacientes se comuniquem com médicos e parentes

Esperança. Pacientes se comunicaram com familiares e amigos

Um experimento realizado por pesquisadores americanos utilizando tablets e smartphones pode beneficiar a vida cotidiana de pessoas com paralisia, que têm sua capacidade de comunicação limitada. Para superar essa barreira, estudiosos do consórcio BrainGate desenvolveram um chip (do tamanho de uma aspirina) que, implantado no cérebro, permite o controle dessas máquinas apenas com o pensamento.

No estudo, publicado na revista “Plos One”, três pacientes com tetraplegia conseguiram navegar por aplicativos, incluindo serviços de e-mail, mensagens, streaming de música e de compartilhamento de vídeos.

Apenas com o poder do pensamento, eles controlavam um cursor na tela e, dessa forma, enviaram mensagens para amigos, parentes e membros da equipe de pesquisas. Acessaram a internet, checaram a previsão do tempo e, um deles, músico, tocou um trecho da Sinfonia nº 9 de Ludwig van Beethoven em um piano virtual. A localização cerebral do chip permitiu detectar sinais associados aos movimentos produzidos no córtex motor. Esses sinais são decodificados e roteados para dispositivos externos. Estudos anteriores demonstraram que implantes similares podem mover braços robóticos e até mesmo recuperar movimentos dos próprios membros.

Os pacientes foram capazes de fazer até 22 cliques por minuto, usando vários aplicativos. Na edição de textos, eles escreveram até 30 caracteres por minuto usando aplicativos de e-mail e de troca de mensagens. De acordo com o estudo, os participantes consideraram a interface intuitiva e divertida.

A esperança é que a tecnologia seja um canal de comunicação para pacientes com deficiência neurológica severa. Além de proporcionar interação com amigos e familiares, a tecnologia fornecer um meio para descrição de problemas de saúde aos cuidadores.

In:

https://www.otempo.com.br

29/11/2018