24-08-2018

 

Estas últimas semanas mostraram algo que não podemos deixar passar em branco, o inicio daquilo que já comentamos em outras ocasiões, a realidade proposta para o nosso cotidiano, a Perplexa Província.  Já tivemos pelo que foi possível ver e escutar, dois espetáculos com os alquimistas escolhidos sabe se lá por que motivos como candidatos ao cargo máximo em termos políticos desta Perplexa Província.

Estes alquimistas são o que temos de melhor? Ninguém tem coragem de bater o martelo, mas são engraçados sem sombras de dúvidas. Cada um, à sua maneira, mostra uma Província que só existe na imaginação deles, e para quem é mais informado e não repetidor de mantras políticos, sabe muito bem que, como dizem os mais antigos, o ‘buraco é mais embaixo’ nesta Perplexa Província.

Passam de 23 mil alquimistas para a Província como um todo. E o mais engraçado, pelo mínimo, aqui no Estado do Rio de Janeiro, filhos dos medalhões na política estadual optaram em tirar o sobrenome da família para enganar os incautos, ou seja, se os pais estão presos ou em processo de, o melhor é não associar se a seus próprios pais o próprio nome. Se os filhos renegam seus pais, quem garante que não irão renegar também seus eleitores, este é apenas um motivo a mais para afirmarmos que vivemos numa Perplexa Província.

Se os filhos renegam seus pais, os alquimistas que tentam vender soluções fáceis, questões mais agudas, mais sérias não estão contempladas até a presente data, titulo desta coluna, nas agendas, se é que as possuem.

Associado as soluções de ordens práticas, temos uma bíblia, capa preta surrada pelo que as câmaras de televisão mostraram, temos outros que falam de economia, agenda mundial, ONU, meio ambiente, ex-gerentes de latifúndio, ex-ministros.  Realmente vivemos numa Perplexa Província.

Realmente não sabemos o quê do caldeirão destes alquimistas sairá, mas sabemos que os mantras políticos tipo segurança, saúde, empregos, ensinos, saneamentos básicos, e outros blablabla serão entoados com fé e esperança. O Passado sempre se faz Futuro no Presente Político desta Perplexa Província.

Tecnologias de Pontas nas áreas de medicina, agricultura, nanotecnologias, inteligência artificial, novas economias, recuperação dos milhões de quilômetros quadrados degradados, a fundamental questão da água, energias eólicas, solar, dívidas publicas, precatórios, isto tudo e muito mais ninguém expressa suas opiniões, um ou vários silêncios, este é o destino nosso. Como alguém já sinalizou, se o número dos votos em brancos, nulos ou em trânsito foi o que mais se destacou nas últimas eleições significa que a reforma política cantada em verso e prosa desde da Constituição de 1988 tem que ser o primeiro passo a ser trilhado. Afinal, quem não aceita estas regras do século passado tem que ser respeitado. Este aumento é a única realidade concreta observada a cada dois anos, assim como a roubalheira, esta sim diariamente nesta Perplexa Província.